Dicas para planejar sua viagem ao Japão

Tokyo Tower, Odaiba, Ginza, Ueno e Ikebukuro
Tokyo Tower, Odaiba, Ginza, Ueno e Ikebukuro – 4º diário de viagem
10/04/2016
Monte Fuji e Kawaguchiko – 5º diário de viagem
17/04/2016

Data de viagem

Para planejar sua viagem ao Japão, comece escolhendo as datas. A maioria das pessoas deseja ver o florescer das cerejeiras, no início da primavera (meio de março a meio de abril) ou no outono (início de setembro), além da beleza, essa época tem um clima mais ameno, garantindo melhores dias para passeios, mas é considerado bem frio comparando com o Brasil.

Porém, são épocas de alta temporada, as passagens e hotéis ficam um pouco mais caros, é necessário pesquisar bastante. Evite alguns feriados como a Golden Week (final de abril, começo de maio), feriado de Obon (em torno do dia 15 de agosto) e o Ano Novo.

Você vai precisar de pelo menos 7 dias para uma viagem ao Japão, menos que isso não compensa as mais de 22 horas de viagem, fora as conexões, 10 a 15 dias acho o ideal e 30 dias perfeição.

Eu se conseguisse viajar 30 dias pelo Japão

Eu se conseguisse viajar 30 dias pelo Japão

Roteiro

Acredito ser importante fazer o roteiro antes mesmo de comprar as passagens de avião, na verdade você vai precisar entregar o roteiro quando for tirar o visto. Pesquise os lugares que mais agradam, que você quer conhecer e procure fazer o que está mais perto, considere ficar em Osaka ou Kyoto e fazer bate-volta para as cidades e/ou atrações mais próximas. Nosso roteiro foi baseado nas principais cidades e as estações do shinkansen (trem bala). Muitas pessoas preferem chegar em Tóquio e ir para uma cidade mais ao sul como Kyoto e vir voltando, para conhecer Tóquio por último.

Reflexões pós-viagem: Não escolheria mais Osaka como cidade para fazer bate-volta, escolheria Kyoto, que possui mais templos e atrações mais próximas. Também não foi uma boa escolha, conhecer tantas cidades em pouco tempo, queríamos abraçar o Japão de uma vez (erro de principiante).

Passagens

Procure comprar as passagens com uns 3 a 4 meses de antecedência, mas vá acompanhando os preços antes que isso. Sites como o Melhores Destinos é ótimo para ver/receber as promoções de passagens e no Kayak e a Decolar.com você pode receber alertas de promoções, foi neste último site que compramos as passagens, custaram R$3.300 pela Air Canada, em outras épocas é possível achar passagens por R$2.500.

A maior parte das conexões costuma ser nos EUA e Dubai, mas quando viajamos tinham diversas promoções pelo Canadá. É possível comprar as passagens direto com as cias. aéreas ou sites de viagem, você só precisará de ajuda se deseja ficar mais que um dia no local da sua conexão.

 

Visto

Para emissão de visto para o Japão é necessário passaporte válido e comprovação de renda suficiente (isso inclui comprovante de compra das passagens ou print da reserva). Você pode ir no consulado, embaixada ou escritórios consulares da sua cidade ou capital e também através de agências de viagem.

O visto de curta permanência (até 90 dias) desde junho de 2015, tem validade de 3 anos, com períodos de permanência de 15, 30 ou 90 dias, ou seja, no período de 3 anos pode viajar várias vezes, mas ficando no máximo 30 dias cada viagem (90 dias tem outras restrições).

Eu tirei o meu visto em São Paulo e não demorou nem uma semana depois da entrega dos documentos, aqui no site do Consulado do Japão em São Paulo, tem mais informações e formulários. Verifique também qual visto de trânsito será necessário para você.

Hotéis

Existem muitas opções de hotéis dos mais baratos aos caros. Dê preferência em pesquisar pelo Booking.com, Tripadvisor e decolar.com, achei ótimos preços e você ainda avalia os comentários. Outras opções são os Hostels, como foi nossa primeira viagem ao exterior, não quisemos arriscar um hostel, mas depois que viajei percebi que foi bobagem. O Japão é um país muito seguro com pessoas que colocam o bom atendimento em 1º lugar, deve ser o melhor lugar para ficar em um hostel. Dê preferência para hospedagens próximas de estações de trem e metrô.

Reflexões pós-viagem: Em Tóquio ficamos hospedadas no Shinjuku Washington Hotel, quarto pequeno, mas muito bem localizado. Na nossa hospedagem em Osaka, queríamos economizar e encontramos o HOTEL MYSTAYS Otemae, reservamos um quarto com cozinha (tipo kitinete), eram 3 quartos, cozinha equipada com microondas e sala pequena (com sofá), para familias é uma boa indicação de hospedagem, o ponto negativo é que pagávamos uma passagem a mais de metrô na baldeação para Shin-Osaka. Na cidade de Kawaguchiko, ficamos no hostel/pousada Guesthouse Sakuya, ótimo lugar, só é distante da estação de Kawaguchiko. No final da viagem, ficamos 2 noites no Narita Tobu Hotel, o mais “luxuoso” que passamos, fica perto do aeroporto de Narita, mas distante uns 30 minutos de trem de Tóquio, a vantagem foi ter translado para o aeroporto incluso.

Japan Rail pass

Se em sua viagem ao Japão você pretende conhecer mais de 2 cidades ou vai precisar do shinkansen (trem bala) mais de 3 vezes, uma boa dica é adquirir o Japan Rail Pass. É um passe destinado a estrangeiros em visita ao Japão, com ele você pode pegar o shinkansen, trens, ferryboat e metrôs da linha JR quantas vezes precisar, durante o período de aquisição.

Você pode compra-lo somente depois de ter o visto para o Japão, é possível comprar através do site JR Pass e pagar para entregarem em casa (em dólar) ou em agências de viagem que ofereçam o serviço. Você encontra bilhetes para 7, 14 ou 21 dias, com opção comum e primeira classe. Quando estiver no Japão, basta validar no aeroporto, principais estações do Japão e pontos de atendimento.

Transporte

Transporte no Japão

 

O transporte público no Japão é ótimo, use e abuse de trens e metrôs nas grandes cidades. O site JORUDAN é uma grande ajuda, mostra opções de rotas incluindo todos os meios de transporte, com horários, valor da passagem, você pode procurar pela rota mais rápida, mais barata, tempo de percurso. Mais útil impossível.

Em Tóquio o melhor é se locomover somente com trens e metrôs, o valor aumenta de acordo com a distância. Já em Kyoto e Hiroshima alguns lugares você precisa pegar ônibus, mas as paradas são anunciadas ou descritas num painel eletrônico, é só anotar em qual lugar precisa descer. A passagem é barata, você paga em moedas para o motorista na hora de descer. Quem estiver usando o wi-fi é só olhar pelo GPS ou google maps as rotas que você vai fazer. Para saber sobre bilhetes múltiplos acesse o site do Japan Guide.

Para se locomover entre as cidades, o shinkansen é a maneira mais usada e também a mais rápida. Se você for usar o JR Pass, após validá-lo, basta mostrar na catraca e pode reservar a poltrona antes se quiser. Outra opção mais econômica é viajar de ônibus, você pode encontrar mais informações neste post.

Dinheiro

O iene ou yen é a moeda corrente no Japão, 1 real é igual a 32 ienes (hoje está mais fácil calcular hehe), sem taxas. Vejo muitas pessoas que para viajar trocam o real para dólar e depois para iene, mas se você não recebe em dólar, não compensa. Aqui em São Paulo é possível trocar real direto para iene, eu troquei no aeroporto de Guarulhos, a Silvia e a Nádia trocaram em Santos. Leve dólar apenas para a sua conexão.

A maioria dos lugares aceita dinheiro e cartão, mas em cidades menores ande sempre com dinheiro, é fácil encontrar caixas eletrônicos nas lojas de conveniência.

O Japão não é um país tão caro, isso é bem relativo e depende de você procurar, pois comparando com São Paulo e Rio de Janeiro, encontrei refeições e atrações em locais turísticos bem mais baratas do que em São Paulo. Quando viajei o Big mac custava em torno de 600 ienes, cerca de 13,00 reais.

Língua

Acredito que conhecer mais sobre o país e a língua falada nele, antes de viajar para o seu destino é algo que acrescenta muito na viagem. Você pode se virar bem com o inglês por lá e os japoneses estão sempre dispostos a ajudar falado ou com mímica (haha), mas é bacana aprender e anotar algumas expressões usadas no dia a dia, eu comprei um guia de bolso e tentei estudar um pouco mais e não tivemos grandes problemas em nos comunicar.

Coisas extras:

Internet

Nem todos os hotéis disponibilizam wi-fi de graça ou no quarto, pode ser que tenha que pagar a parte, mas é possível alugar um aparelho wi-fi wireless no aeroporto e devolver antes de viajar de volta. Estrangeiro não pode comprar chip de celular, eles tem um serviço de alugar um telefone ou chip, mas para telefones desbloqueados. Veja aqui quais empresas oferecem estes serviços.

Quando viajamos não utilizamos wi-fi fora do hotel, soube destes serviços apenas depois da viagem, mas tudo é muito bem sinalizado e organizado, passear a moda antiga com mapas e anotações, é totalmente possível. Hoje em dia temos ainda app com mapa off-line, o que facilita ainda mais.

Serviço de entrega de malas

No Japão é possível contratar um serviço de entrega de malas, ele se chama Takuhaibin, a empresa se encarrega de entregá-las no seu hotel, você precisa verificar com seu hotel de destino se ele recebe este serviço e se ver livre de carregar malas por aí. Mais detalhes você encontra neste post. Confesso que não achei que precisaria deste serviço, mas levei uma mala enorme e voltei com mais duas de mão, então depois de 5 dias já estava pedindo arrego.

Comprar bilhetes de trem e metrô

Você precisa verificar antes de comprar em qual estação vai descer e qual o valor para esta estação, há um painel com as estações e um valor marcado nelas. Quando passar na catraca, o bilhete vai sair do outro lado para você pegá-lo novamente, guarde o bilhete! Na saída da estação de destino, vai colocar o bilhete novamente para sair, se o valor que pagou na entrada for diferente da estação de saída, vai apitar (um japonês prestativo vai vir até você) e você vai precisar pagar a diferença para sair.

Os bilhetes de metrô e trem comum são vendidos apenas em máquinas, que estão à primeira vista em kanji, mas não se apavore, é possível trocar o idioma para inglês.

Etiqueta

Na hora de pagar suas compras em qualquer loja, não entregue o dinheiro diretamente nas mãos do atendente, ele não vai pegar, vai te indicar uma bandeja no balcão. Coloque na bandeja, daí sim ele pega o dinheiro. E eles sempre contam o troco e falam ou agradecem (às vezes parece muita coisa), mesmo você não entendendo nada.

Não precisa dar gorjetas nos estabelecimentos, eles vão ficar sem jeito e recusar, dizem que é até ofensa para alguns.

Tire os sapatos

O hábito de tirar os sapatos ao entrar na casa/quarto é muito forte, nos hotéis tradicionais tem chinelos para trocar ao entrar. Verifique sempre como estão suas meias ante de sair haha.

 

Dog GIF - Find & Share on GIPHY

Gostou das dicas? Quer saber mais? Então deixe um comentário e acompanhe nosso blog!

Erika Silva
Erika Silva
Metida a viajante, de boa e tranquila por fora, ansiosa e planejadora por dentro. É designer gráfico, na casa dos trinta anos, amante de filmes, séries, desenhos, música, chocolate com coco, livros e sobremesas.

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: